"descapando" discos de rock, sempre em listas top 10 | por Ziegler, Zé Mário e Lex

Posts marcados ‘137’

como se fosse a SEGUNDA PARTE

Semana passada, por causa do feriado, preparei com antecedência todo o material publicado. Entre as músicas escolhidas algumas não combinavam com o tema definido. Para minha surpresa as não-editadas formaram outro setlist completo, algo como se fosse a segunda parte. Este ano não farei edição especial sobre o Dia dos Namorados, mas a dose_INDIE mantém o ritmo de baladinha, para curtir junto.

01 – Deerhunter – Revival

A capa de Halcyon Digest foi desenvolvida em parceria com os fãs. Bradford Cox, vocalista, espalhou cópias de panfletos com referência a linguagem punk, em Atlanta, e pediu para que o material fosse fotografado e reenviado para a banda.

Vídeos do VodPod não estão mais disponíveis.

02 – Twerps – This Guy

Banda australiana influenciada pela cultura pop dos anos 80 e sonoridade lo-fi. A vocalista Julia McFarlane divide o microfone com o guitarrista Martin Frawley.

Vídeos do VodPod não estão mais disponíveis.

03 – Secret Cities – No Pressure

As primeiras demos foram gravadas quando o projeto ainda chamava White Foliage. Nesta fase dois dos integrantes estavam no auge de seus 15 anos. Em 2005 adotaram o nome atual e, com entrada de baterista, a formação como trio.

Vídeos do VodPod não estão mais disponíveis.

04 – Eternal Summers – Dye

Dupla formada pela vocalista/ guitarrista Nicole Yun e baterista Daniel Cundiff. O som que eles fazem foi auto-intitulado como “dream punk”. Ambos fazem parte do coletivo de arte e música chamado Magic Twig Community.

Vídeos do VodPod não estão mais disponíveis.

05 – Brilliant Colors – How Much Younger

Os primeiros shows aconteceram em pequenas casas noturnas de São Francisco, em 2007. O baterista original foi substituído por Diane Anastásio, ex-integrante de Carnal Knowledge que havia mudado há pouco tempo para a cidade.

Vídeos do VodPod não estão mais disponíveis.

06 – Tennis – Origins

Alaina Moore, vocal e teclados; e Patrick Riley, guitarra, namoraram no high school e casaram durante a faculdade. Depois de formados compraram veleiro e viajaram quase por um ano. Young & Old, segundo lançamento, foi escrito e gravado em exatos três meses.

Vídeos do VodPod não estão mais disponíveis.

07 – Cults – Bumper

Quando começaram em 2010 a dupla publicou apenas três músicas em seu site. O número de acessos foi assustadoramente alto tanto que a história rendeu matéria na revista New Musical Express e contrato com gravadora no ano seguinte.

Vídeos do VodPod não estão mais disponíveis.

08 – The Young – Poisoned Hell

The Young começou como projeto solo de Hans Zimmerman. Os demais integrantes foram escolhidos depois que as músicas para o disco de estréia foram escritas.

Vídeos do VodPod não estão mais disponíveis.

09 – Mr Airplane Man – Red Light

As meninas de Mr Airplane Man foram comparadas ao White Stripes porque ambos são de Detroit e formados por dupla, mas o vocal remete ao estilo Kim Gordon, de Sonic Youth. O disco de estréia chama Red Lite. O primeiro single de trabalho foi “Red Light.”

10 – Mark Sultan – Graveyard Eyes

“I’m not a clown, nor am I a whore. I’m a rock ‘n roller.” Mark Sultan esclareceu a dúvida em Whatever, Whenever, disco que sintetiza treze das vinte e seis músicas gravadas para os projetos Whatever I Want e Whenever I Want, lançados apenas em vinil.

Vídeos do VodPod não estão mais disponíveis.

.
EXTRA – Jupiter Maçã – A marchinha
psicótica de Dr. Soup

Ontem assisti ao show de lançamento, em vinil, dos singles “Modern Kid” e “Calling All Bands” de Júpiter Maçã. EXCELENTE apresentação. A primeira vez que tive contato com sua música foi durante a Virada Cultural no mês de maio. Definitivamente virei fã. Além de letras inteligentes e músicas pra cantar junto, o que mais me impressiona é sua presença de palco. Como as duas músicas já foram publicadas na dose_INDIE 131, para o post escolhi “A marchinha psicótica de Dr Soup”, minha preferida e que está em Uma tarde na fruteira.

Vídeos do VodPod não estão mais disponíveis.

“antes de nada eu gostaria de explicar
segue agora um mosaico de imagens mil
chamado a marchinha psicótica de Dr. Soup

a noiva do arlequim e o malabarista
chegaram juntos com a fada e um inspetor nazista
chacretes e coristas em teatro de revista

bem-vindos a orgia niilista, ai que gostoso
que delícia, muito mais paulista
anunciados o homem-bala e a mulher canhão

a musa do pinóquio era bolchevista
a mais formosa melindrosa pega na suíça
suíça pra ela era pegar rapaz

e pra provar minha querida
o meu amor tão radical
eu escrevi essa marchinha
para tocar no carnaval

o milênio passaria e a marchinha seguiria
sendo cult underground
mas até 2020 seria revisitada
e virar hit nacional…”

.
Clique aqui para baixar o podcast no formato MP3

Clique aqui para baixar o podcast no formato AAC para iPod

.
Para conhecer as edições anteriores do Dez Capas e dose_INDIE clique aqui. Até sexta que vem.

Nuvem de tags

%d blogueiros gostam disto: