"descapando" discos de rock, sempre em listas top 10 | por Ziegler, Zé Mário e Lex

Posts marcados ‘Suede’

Bloodsports

suede_bloodsports

Na segunda-feira da semana passada, dia 11, Bloodsports, do Suede, vazou. Este é o primeiro disco com inéditas em dez anos de hiato. O lançamento oficial foi hoje, dia 18. Compartilhei a novidade em meu perfil do Facebook, e confesso que fiquei na dúvida: será que a banda ainda tem o que mostrar?

O amigo Pedro Antunes de cara perguntou: “E aí? Bom? Incrível?” Respondi que havia passado rapidamente pelas dez músicas, e que iria escutá-las por completo na sequência. Ele finalizou: “depois me dê o seu veredicto.” Em trinta e nove minutos há excelentes momentos em Bloodsports, mas também belas escorregadas. Segure-se.

Em janeiro, quando foi lançado o clipe de Barriers a música não me impressionou, mas agora escutando a obra completa ela tem seu valor. Equivocado foi colocar Snowblind logo na sequência. Preste atenção no trecho de Barriers em que Brett Anderson canta:

“but will they love you,
the way, the way I loved you?
we jumped over the barriers
jumped over the barriers”

Depois compare com este de Snowblind:

“this love is lifting
the blood is lifting you
over snowblind barriers
this love is lifting who
this blood is lifting you
i was snowblind for a moment too”

A entonação é a mesma. Snowblind é boa, mas causaria melhor impacto se estivesse em outra posição da setlist, algo como a música 8 ou 9 do cd, estrategicamente posicionada para nossos ouvidos esquecerem do refrão da música que abre a obra.

suede_it_starts_and_ends_with_you

Quando escutei The Drowners pela primeira vez, nos anos 90, o riff inicial soou como se eu conhecesse a música há muito tempo. It Starts And Ends With You despertou a mesma impressão. Depois de dez anos ESSA é a músca do Suede que eu queria escutar. Era DESSE Suede que eu estava com saudades, e não daquela banda que está em Head Music.

Sabotage é linear. Ela demonstra emoção do meio para o final. Sugiro escutá-la duas vezes seguidas.

Na minha opinião, For The Strangers foi resgatada dos takes não aproveitados da fase Bernard Butler. Guitarra bacanérrima. Se ao trabalhar com o produtor Ed Buller a banda pretendia soar como na fase Dogman Star, com For The Strangers ela acertou o tom, e ainda é possível encontrar frescor de novidade.

Torço para que Hit Me seja o próximo single. Bateria e guitarra dominam, mas fico com o baixo esperto de Mat Osman que está na medida certa. Como são dez músicas, o lado B do vinil começará com vigor.

Logo no início Sometimes I Feel I’ll Float Away meio que anunciava que seria a chatinha do disco. Depois de escutar a música inteira você concluirá que de chata não tem nada.

Passamos da metade e até agora o disco desenvolveu muito bem. Melhor se ele tivesse apenas nove músicas, que What Are You Not Telling Me fosse a última música do último single que a banda lançará em setembro ou outubro de 2014. Desnecessária. Se no lado A do vinil estão as melhores músicas do disco, no lado B, com exceção de Hit Me, estão as menos expressivas. Tomara que isso não signifique que as boas ideias da banda se esgotaram. Que as músicas reservadas para entrarem nos futuros singles levantem a moral novamente.

Faz sentido Always ser a penúltima música. Ela preparou o ouvinte para o grand finale que não aconteceu. Se It Starts And Ends With You estivesse na sequência dela o encerramento teria sido apoteótico. O disco finaliza com a insossa Faultlines que é aquele filho caçula raspa do tacho que tem diferença de vinte anos de sua irmã mais velha. Neste caso a irmã chama The Big Time. Não há necessidade de duas músicas similares no conjunto da obra mesmo com esse longo período que as separam.

No geral um detalhe MUITO me agradou. Felizmente ficaram de fora aqueles tecladinhos irritantes como os que estão nas músicas Everything Will Flow e She’s In Fashion. Ufa.

Ainda não há previsão de lançamento de Bloodsports no Brasil, mas no site suede.co.uk é possível encontrá-lo em duas opções: cd simples e edição de luxo com camiseta, livro, cd + dois vinis.

Se muito bom significa nota dez considero o disco BOM.

Anúncios

COQUETEL

No dia 3, quarta-feira, foi publicado meu segundo post como colaborador da Rádio UOL. Em COQUETEL deste mês escrevi sobre Suede, homônimo de estreia da banda inglesa e a dúvida que a capa do disco gerou. Espero que curtam. Para ler o conteúdo na página da Rádio UOL clique aqui.

Banda de VIADO

Em 1993, assisti ao clipe de uma banda que o riff inicial soou familiar, como se eu conhecesse a música há muito tempo. A letra dizia:

“Won’t someone give me a gun?
Oh well it’s for my brother
Well he writes the line wrote down my spine
It says “Oh do you believe in love there?”

Vídeos do VodPod não estão mais disponíveis.

Tinha acabado de conhecer “The Drowners” , do Suede. De imediato virei fã da banda. O passo seguinte foi escutar o disco inteiro. Por mais bizarro e estranho que isso pareça hoje, nos anos 90 existia locadora de CD. Em Piracicaba tínhamos cinco boas.

Logo na primeira música estava o hino “So Young.” Na sequência, vinham “Animal Nitrate” e “She’s Not Dead”. Um pouco mais adiante “Pantomime Horse”, “Sleeping Pills”, “Breakdown” e “Metal Mickey”. Era certo que Brett Anderson havia estudado pela cartilha Bowie e Morrissey.

O disco, para minha felicidade, era EXCELENTE. Mérito também ao guitarrista Bernard Butler. Johnny Marr, ex-The Smiths, o elogiava abertamente.

Eram dois homens ou duas mulheres que se beijavam na capa? Não ficava claro. Os precipitados profetizaram: “São dois homens. A música até que é legal, mas é banda de viado.” O visual andrógino, a postura de palco rebolativa e algumas declarações ambíguas de Anderson sustentavam a dúvida: “I’m a bisexual man who never had a homosexual experience.” Assista ao clipe abaixo e você entenderá a afirmação.

Vídeos do VodPod não estão mais disponíveis.

Na imagem são duas mulheres. A dúvida foi esclarecida pela fotógrafa Tee Corrine, autora do registro. A foto faz parte do livro Stolen Glances: Lesbians Take Photographs, de 1991, editado por Tessa Boffin e Jean Fraser.

Na época do lançamento li sobre a história. Além de locadora de CD em Piracicaba também era vendido o semanário inglês Melody Maker. Obviamente as edições chegavam com dias de atraso. Se considerarmos que nos anos 90 o acesso às informações vindas de fora era bem difícil, estar até vinte dias atrasado era estar no lucro. Durante muito tempo li as edições que minha professora das aulas de inglês comprava.

Vídeos do VodPod não estão mais disponíveis.

Em 2011, a obra do Suede foi relançada em edição de luxo. Todos os discos passaram a ser triplos. No primeiro está o registro original remasterizado. No segundo estão raridades e sobras de estúdio. E os clipes de cada período, apresentações ao vivo e entrevistas ficaram para o DVD. A primeira vez que vi a foto da capa completa foi quando meu Suede, homônimo de estréia, chegou.

Vídeos do VodPod não estão mais disponíveis.

Sempre esperei para assistir a banda ao vivo e no dia 20 de outubro ela fará apresentação única em São Paulo. Esta é a primeira vez que o Suede virá ao Brasil e não tenho dúvida que será pura celebração. Da admiração que surgiu há quase duas décadas no show em que estarei na plateia cantarei o mais alto que os pulmões aguentarem “Oh do you believe in love there?”.

.
Lex, Leandro Borghi, é designer gráfico, diretor de arte da Revista Trevo, escreve para o Dezcapas.wordpress.com, produz e apresenta a dose_INDIE há três anos.

músicas de INVERNO

Com quase um mês de atraso a estação mais fria do ano chegou pra valer e com ela os inseparáveis incômodos, como: gripe, dificuldade para acordar cedo e sair da cama, tomar banho pela manhã e depois de um dia de trabalho (para mim esses são os piores), usar excesso de roupas, entre outros. Se pudesse escolher o tempo todo seria verão, algo próximo dos 30°C. Infelizmente o frio polar continuará até setembro e enquanto a temperatura não sobe nesta dose_INDIE estão músicas de INVERNO*.

01 – Arcade Fire – The Suburbs

Finalizada a turnê de Neon Bible a banda realizou alguns shows em apoio à candidatura presidencial de Barak Obama. Depois dessa fase começaram a ser gravadas as primeiras demos que resultaram em The Suburbs, de 2010. Clipe dirigido por Spike Jonze.

Vídeos do VodPod não estão mais disponíveis.

02 – The Raconteurs – Hands

No release enviado para a imprensa avisando que Broken Boy Soldiers estava disponível veio em destaque à informação: “new band made up of old friends”. Brendan Benson e Jack White escreveram juntos a letra de “Steady As She Goes”. Satisfeitos com o resultado convidaram os amigos Patrick Keeler e Jack Lawrence, de Greenhornes, para montarem a banda.

Vídeos do VodPod não estão mais disponíveis.

03 – Pulp – Underwear

Na ativa desde 1983 quando Different Class foi lançado, em 1995, a banda carregava experiência de grandes festivais, como Glastonbury, e havia emplacado vários singles nas primeiras posições do Top Ten inglês. Em 2001 foi lançado o último disco com inéditas. Há especulações de que Jarvis Cocker e trupe farão apresentação no país no segundo semestre. TOMARA.

Vídeos do VodPod não estão mais disponíveis.

04 – Albert Hammond Jr – 101

Durante as férias do The Strokes que durou cinco anos todos os integrantes estiveram envolvidos em outros projetos. “101” foi lançada em Yours To Keep, primeiro disco solo de Albert Hammond Jr.

Vídeos do VodPod não estão mais disponíveis.

05 – Interpol – C’mere

Quando Antics foi lançado alguns críticos consideraram que a banda talvez estivesse ciente que seria impossível superar Turn On The Bright Lights, IRRETOCÁVEL primeiro disco, e escolheu outra linha de produção. Quase deu na trave.

Vídeos do VodPod não estão mais disponíveis.

06 – Babyshambles – Killamangiro

Down In Albion ocupou as primeiras posições em vendas por semanas, e foi produzido por Mike Jones, do The Clash. “Killamangiro” foi o segundo single de trabalho. Naquele ano a turnê foi cancelada por causa dos problemas com drogas de Pete Doherty que o acompanham até hoje.

Vídeos do VodPod não estão mais disponíveis.

07 – Suede – Lazy 

Richard Oakes, no auge de seus dezessete anos, assumiu a difícil missão de continuar o legado deixado por Bernad Butler nos dois discos anteriores a Coming Up. O que parecia impossível foi realizado com EXCELÊNCIA.

Vídeos do VodPod não estão mais disponíveis.

08 – Ride – Sennen

Nowhere é ótimo exemplo de perfeição alcançado por banda em disco de estréia. São facilmente encontradas as assumidas referências ao My Bloody Valentine. Mérito. As famosas diferenças artísticas irreconciliáveis entre os guitarristas Andy Bell e Mark Gardener colocaram o ponto final na história de Ride em 1996. No ano seguinte Bell assumiu o baixo no Oasis, atualmente com Beady Eye. Gardener lançou apenas um disco solo em 2005.

Vídeos do VodPod não estão mais disponíveis.

09 – The Cardigans – Happy Meal

Considerando a doçura e encanto no vocal de Nina Person a base do sueco The Cardigans foi o hardcore de projetos anteriores desenvolvidos por Peter Svensson e Magnus Sveningsson. “Happy Meal” foi lançada em First Band On The Moon que na minha opinião é o nome MAIS LEGAL que um disco poderia ter.

Vídeos do VodPod não estão mais disponíveis.

10 – The Charlatans – Just Lookin’

1995 foi intenso para a banda. Tim Burgess recebeu boa critica por ter gravado o vocal em “Life Is Sweet”, single de estréia de Chemical Brothers e The Charlatans, terceiro lançamento, disparou em vendas. O ano seguinte foi marcado pela morte do tecladista Rob Collins em acidente de carro (ele é o primeiro do lado esquerdo da capa).

Vídeos do VodPod não estão mais disponíveis.

11 – Doves – Catch The Sun

Até 1995 o trio de Manchester organizava coletivo dance chamado Sub Sub. No final daquela década, período em que o britpop perdia forças, o rebatizado Doves lançou o primeiro EP. Catch The Suné um dos hits de Lost Souls, de 2000.

Vídeos do VodPod não estão mais disponíveis.

12 – Ok Go – A Million Ways

Até pouco tempo a banda primeiro era lembrada por causa de seus clipes e depois por qualidade das músicas. O de “Here We Go Again” foi lançado em 2005 e virou hit do YouTube com mais 14.033.710 acessos. “A Million Ways” foi o segundo e atingiu 1.514.029 visualizações.

Vídeos do VodPod não estão mais disponíveis.

.
Clique aqui para baixar o podcast no formato MP3

Clique aqui para baixar o podcast no formato AAC para iPod

.
Considerei o setlist como músicas de INVERNO porque o ritmo está desacelerado e é assim que fico neste período do ano. Diferente do que acontece no verão. A disposição é total. Para conhecer as edições anteriores do Dez Capas e dose_INDIE clique aqui. Até sexta que vem.

as 12 MELHORES dos anos 90

Desde o saudoso Sete Doses escrevo sobre o carinho e respeito que mantenho aos anos 90. Musicalmente a década foi ENCANTADORA. Recentemente a revista New Musical Express, NME, aprofundou o assunto, definiu critério próprio e elegeu as 100 Melhores Músicas do período. Obviamente MUITA COISA BOA ficou de fora e outras coisas nem tão boas tiveram destaque. Desconsiderei o ranking da publicação inglesa, mas usei a lista para definir as 12 mais da dose_INDIE.

01 – Paul Weller – The Changingman

“By the time the Modfather released his third solo album ‘Stanley Road’, he’d firmly found his feet as a solo artist and was flourishing even without The Jam or Style Council. In many ways “The Changingman” could neatly serve as Weller’s mantra for the era: a recognition of the need for constant evolution and boundary-pushing, backed by a riff-heavy stomp and white-hot licks.”

Vídeos do VodPod não estão mais disponíveis.

02 – Pulp – Do You Remember The First Time?

“Pulp had been building up to this one, slyly chronicling our peculiar little ways to a soundtrack that rose above the Britpop mire.”

A música escolhida por NME foi “Commom People”, lançada em Different Class, de maio de 1995, mas minha preferida é “Do You Remember The First Time?”, que está em His N Hers.

Vídeos do VodPod não estão mais disponíveis.

03 – Suede – Stay Together

“The Valentine’s Day kiss-off between Brett Anderson and Bernard Butler came in the form of these four minutes of swirling romantic drama. Anderson’s lyric spoke of the pull of a junkie’s fix versus love, while Butler’s fretwork was brash and bold, hinting at something more celestial. It’s bombast didn’t give any hint of what was about to happen to band chemistry. “Stay Together”? As if they could…”

Vídeos do VodPod não estão mais disponíveis.

04 – Teenage Fanclub – The Concept

LAMENTÁVEL ausência de Teenage Fanclub entre as 100 Melhores, segundo a publicação inglesa. “The Concept” faz parte de Bandwagonesque que não a toa é tão importante quanto Nevermind The Bollocks, de Sex Pistols e Loveless, de My Bloody Valentine.

Vídeos do VodPod não estão mais disponíveis.

05 – Super Furry Animals – If You Don’t Want Me To Destroy You

“An early snapshot of the weird and wonderful world of Wales’ finest purveyors of eclectic pop, “If You Don’t Want Me To Destroy You” is Gruff Rhys and co at their dreamiest best. The grazing electric guitars provide a pillow-soft melody as Rhys coos, “And when the animals gather around you/ Do you ask them for the time, or do you run away and whine?” Off-kilter but pitch-perfect.”

Vídeos do VodPod não estão mais disponíveis.

06 – Mazzy Star – Fade Into You

“This beautiful witchy waltz suggested Hope Sandoval and David Roback had been watching a lot of David Lynch films and listening to loads of old country songs. Released in 1993, it seemed beamed in from another time and place, transcending the musical waves of the time. Sandoval, whose vocal was filled with a unique, sumptuous sadness, said of the song: “It’s about faith, losing faith.”

Vídeos do VodPod não estão mais disponíveis.

07 – Elliott Smith – Miss Misery

“Needle In The Hay”, a escolhida pela publicação inglesa, está na trilha de The Royal Tenenbaums, um dos meus filmes preferidos. Ela foi usada na cena de suicídio do personagem Richie, interpretado por Luke Wilson. Dos lançamentos de Elliott Smith nos anos 90 fico com “Miss Misery”, lançada apenas em Gênio Indomável, filme escrito e estrelado por Matt Damon e Ben Affleck.

Vídeos do VodPod não estão mais disponíveis.

08 – Mercury Rev – Car Wash Hair

Mercury Rev também não está na lista de NME. “Car Wash Hair” foi lançada como single em 1991. No ano seguinte entrou como faixa 99 de Yerself Is Steam, disco de estréia da banda. “Very Sleepy Rivers”, oitava música, foi dividida em pequenos trechos que durou até a 98°.

Vídeos do VodPod não estão mais disponíveis.

Um pouco de história. Nos anos 90 acontecia com frequente os discos terem música fantasma. Na contra-capa de meu cd Modern Life Is Rubbish, de Blur, está relacionado dezessete, mas ele tem 89. Da 18° a 87° estão pequenos trechos de três segundos sem audio. Na 88° faixa começa “When The Cows Come Home” e depois vem “Peach.”

09 – Manic Street Preachers – Motorcycle Emptiness

“While “Generation Terrorists” has its critics, no sage soul has a bad word to say about “Motorcycle Emptiness” and with good reason, because it remains one of the Manics’ glittering high-points. To this day, it shines as an undimmed soul-trodden elegy, buoyed by some of James Dean Bradfield’s finest fretwork, and topped off with Richey Edwards’ typically brilliant poetic flourishes.”

Vídeos do VodPod não estão mais disponíveis.

10 – Belle And Sebastian – Lazy Line Painter Jane

“Lazy Line Painter Jane” foi lançada primeiro como single e depois virou box com três cds. Lembro que gostei da música desde a primeira vez que a escutei, mas sinceramente gosto mais ou menos de Belle And Sebastian. Prefiro assistir a compilação de clipes Fans Only. Há trechos do show do Free Jazz Festival, de 2001. A escolhida para a lista de NME foi “The Boy With The Arab Strap.”

Vídeos do VodPod não estão mais disponíveis.

11 – The Beta Band – Dry The Rain

“The Beta Band’s unique selling point was that even though they were game-changers, they sounded so damned effortless with it. Their magical concoction of stoner folk, and lo-fi hip-hop may have drawn parallels with Beck and Folk Implosion but in the gentle majesty of “Dry The Rain” theirs was a very particular proposition, with Scot Steve Mason leading the dour charge to this musical melting pot.”

Vídeos do VodPod não estão mais disponíveis.

12 – Gene – Sleep Well Tonight

Comparação ao The Smiths foi fardo que a banda carregou durante a fase Olympian, disco de estréia. Parte da fama vinha da postura melancólica adotada pelo vocalista Martin Rossiter que macarronicamente imitava Morrissey. Infelizmente nenhuma música entrou para a lista das 100 Melhores da publicação inglesa. “Sleep Well Tonight” e “Mayday” são minhas preferidas.

Vídeos do VodPod não estão mais disponíveis.
Martin Rossiter imitou ou não imitou Morrissey?

EXTRA 1 – Morrissey – Seasick, Yet Still Docked

Dia 22 de maio Morrissey completou 53 anos. PARABÉNS, Mozz. Esse clipe foi filmado durante a fase de divulgação de Your Arsenal, em 1992, mas lançado apenas em 2000 na compilação Oye Steban.

Vídeos do VodPod não estão mais disponíveis.

 EXTRA 2 – Bee Gees – Run To Me

Primeiro MCA, dos Beastie Boys; depois Donna Summer e domingo passado, dia 20, Robin Gibb perdeu batalha contra o câncer. É inquestionável que os Bee Gees foram verdadeiros hit makers. Goste ou não. EU GOSTO de “Run To Me.”

Vídeos do VodPod não estão mais disponíveis.

.
Clique aqui para baixar o podcast no formato MP3

Clique aqui para baixar o podcast no formato AAC para iPod

.
Blur, Oasis e Radiohead ficaram fora do setlist, mas não significa que suas músicas não estão entre minhas preferidas dos anos 90. Como são bandas que participam com frequência da dose_INDIE resolvi explorar outras sonoridades. Algumas datas estão diferentes da publicação inglesa porque na maioria citei o lançamento do disco, não do single. Para conhecer o que já foi publicado antes clique aqui.

Nuvem de tags

%d blogueiros gostam disto: